Corpo e Mente

by sexta-feira, dezembro 11, 2009 2 comentário(s)

Na vida, todos somos aprendizes, alguns reconhecem, alguns não. Tentamos ser felizes, achamos que a felicidade é uma meta, algo que através de "sucesso", fama, riqueza e poder poderíamos conseguir.


O Corpo e a mente se desenvolvem a cada ano, o orgulho aumenta e extrapola. Apesar de toda a grandiosidade de um ser, deve se reconhecer a terrivel e ampla fragilidade. Cicatrizes? Temos aos montes, o importante, é saber que viver a vida, é o principal.


Na vida, encontraremos riscos, encontraremos divergências, conflitos, amizades, traições, falsidade. Considero, que o importante, não é você obter lucro, é você encontrar a felicidade dentro de si próprio, em constante sincronismo entre o corpo, a mente e o planeta.


Existiria mesmo um Deus único e poderoso, seria algo que possamos encontrar dentro de nós mesmos? Todos sabemos sobre o incrível poder de superação existente no ser humano, o ser humano, quando encontra um objetivo, ele luta, ele busca a cada instante de sua vida, encontrar e obter o sucesso naquilo, esperando encontrar a felicidade. 


Seria possível, existir um deus em cada um dentro de nós? Seria possível, não existir apenas um deus, mas também uma opção de escolha, entre o bem e o mal, sejam lá quais forem eles? Todas as possibilidades são e podem ser consideráveis.


Mas se afinal, se somos imortais, porque não poderíamos ser orgulhosos, acharem que os outros não são nada, nós somos os principais no mundo? Solitários somos frágeis, somos fracos, próximos aos outros seres humanos, somos fortes. In' Lak ech, eu sou você, você sou eu, essa é uma das minhas interpretações sobre essa frase, todos os seres humanos, ligados em uma rede.


Já vi tantas pessoas perderem oportunidades imperdíveis, já vi pessoas desperdiçarem a vida, por apenas alguns instantes de escolhas erradas,
e infelizmente já vi, pessoas esquecerem que sem riscos, uma vida, não é uma vida.


Não posso deixar de citar o texto de Chaplin:







"Já perdoei erros quase imperdoáveis,




tentei substituir pessoas insubstituíveis




e esquecer pessoas inesquecíveis.

Já fiz coisas por impulso,
já me decepcionei com pessoas quando nunca pensei me decepcionar, mas também decepcionei alguém.

Já abracei pra proteger,
já dei risada quando não podia,
fiz amigos eternos,
amei e fui amado,
mas também já fui rejeitado,
fui amado e não amei.









Já gritei e pulei de tanta felicidade,
já vivi de amor e fiz juras eternas,
“quebrei a cara muitas vezes”!

Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
já liguei só para escutar uma voz,
me apaixonei por um sorriso,




já pensei que fosse morrer de tanta saudade




e tive medo de perder alguém especial (e acabei perdendo).

Mas vivi, e ainda vivo!
Não passo pela vida…
E você também não deveria passar!

Viva!
Bom mesmo é ir à luta com determinação,
abraçar a vida com paixão,




perder com classe




vencer com ousadia,




porque o mundo pertence a quem se atreve




e a vida é “muito” pra ser insignificante."

Charles Chaplin

A felicidade eu não pretendo perder, mesmo que não seja uma meta de sucesso, uma meta que não te trará poder, riquezas, eu pretendo alcançá-la, a não ser é claro, que eu já a tenha alcançado... Sou feliz? Sim, eu sou.

2 comentários:

  1. Belo texto de reflexão!
    É preciso encontrar o equilíbrio entre o corpo e a mente... Talvez assim, consigamos entender o que é nosso conceito de felicidade e de liberdade...
    A maioria das pessoas se preocupa tanto com o amanhã e com as aparências, que se esquece de viver o hoje e aproveitar quem realmente é!
    Bye!
    Nice post!

    ResponderExcluir
  2. Eric, muito bom esse texto... E por falar em cicatrizes, eu tenho duas... Adoro elas... Elas me lembram que o passado foi real...

    O novo layout ficou ótimo pequeno padawan.

    ResponderExcluir