O Anel

by quarta-feira, dezembro 08, 2010 1 comentário(s)

Existe uma história sobre moral, que é bem simples, mas é interessante.

Aconteceu uma guerra em um reino muito muito distante. Após um dos lados vencerem, os cavaleiros foram saquear os derrotados, vasculhar os corpos dos inimigos mortos e despedaçados.

Um dos cavaleiros, estava vasculhando um dos corpos de um inimigo morto, e fora várias moedas de prata e de ouro, encontrou em seu dedo anelar um anel. O anel reluzia ao sol, fazendo com que o cavaleiro o admirasse tanto sua beleza, que teve o desejo de roubá-lo. Logo, o soldado pegou o anel, e colocou em seu dedo.

O anel era feito de um material muito reluzente, como ouro branco, mas não exatamente esse material. Nesse anel, incrustado à ele, havia um diamante, não pequeno, mas também não gigante, o que dava ao anel uma beleza incomparável, era um anel perfeito, e ficou mais perfeito ainda em seu dedo anelar, pensou o cavaleiro.

Muitos dias se passaram desde que ele havia o saqueado, e um dia qualquer, o cavaleiro não notou que havia colocado o diamante para dentro da palma de sua mão. Começou a conversar com alguns outros cavaleiros que olhavam para o lugar de onde ele falava, mas não conseguiam vê-lo.

O cavaleiro logo notou que ele estava invisível. Aquele anel que havia encontrado, era um anel mágico que quando o diamante estava virado para dentro de sua palma ele ficava invisível, e de modo contrário, ele ficava visível.

Poderia ele infringir as leis morais e éticas ? As leis se aplicam à alguém que nem sequer "existe" ou é invisível ?

Á medida que observamos a sociedade à nossa volta, podemos ver quantas falhas existem em algo que deveria ser tão transparente e justo.

Somos um fruto de uma sociedade imperfeita, apenas feita de benefícios individuais. Talvez eu esteja sendo ignorante ao dizer isso, mas posso dizer que tenho certeza que o que todas as pessoas querem, é ser igual e diferente. Iguais, pois todas deveriam ter as mesmas oportunidades, todas deveriam ter o mesmo tipo de casa, de benefícios, de educação livre (uma educação que não se prenda somente à matérias, uma educação que se aplique à vida, e sem limites). Mas todas diferentes em pensamento, cada uma desenvolvendo seu modo de pensar, seu modo de viver, seu modo de personalizar e criar o Universo ao redor.

Esse é o verdadeiro conceito de uma sociedade igualitária.

Com tantas falhas no sistema capitalista, não deveríamos pelo menos sair às ruas para reclamá-las? Ao invés de nos acomodarmos à internet ?

Um comentário: