Todo Fim Desaba

by quarta-feira, fevereiro 12, 2014 0 comentário(s)

Me peguei pensando sobre fraquezas hoje. Pensando em quanto existe realmente de fraqueza e o que é. Naturalmente, o princípio do pensamento foi separar o que é fraqueza do que é fortaleza. Olhei pro horizonte um pouco antes de começar, talvez essa seja uma fraqueza minha, acreditar na esperança da chegada de novas nuvens.

Fraqueza é tudo aquilo que é viciante. Tudo aquilo que provoca sentimentos efêmeros e pouco inteligíveis, pouco se acrescenta e muito se consome. O medo e a dor são fraquezas quando consomem o próprio ser, até mesmo o amor pode ser uma fraqueza. Quando o amor é uma fraqueza existem duas faces: uma face bela, onde você se entrega totalmente para outro ser humano e uma face feia, onde qualquer palavra pode te ferir mais que bater o dedinho na quina do armário.

É engraçado, mas o tempo também se posiciona de certa forma. O tempo? Sim, o tempo se posiciona à favor ou contra sua corrente de vida. Quando existem fraquezas demais, coisas efêmeras demais, o tempo se posiciona contra, cada passo é terrível, a vontade de morrer é incessante pois nada parece ter significado. Porém, existe beleza quando o tempo se posiciona à favor. Você não percebe... E ele voa depressa.

Fortaleza, ao contrário, é tudo aquilo que traz paz. O amor, quando traz simplesmente paz, é inesperadamente incrível. Seja em um olhar ou no próprio silêncio, é possível sentir-se tranquilo, sem demasiado peso na costas. Sem vontade de correr em desespero pra fazer sexo ou derramar o sangue através de palavras em inocentes. É difícil notar isso, porque a beleza de viver é maior do que os muros que tolham a visão humana.

Não pretendo assim criar definições, nem tentar controlar através dessas palavras sentimentos mais antigos que eu, sentimentos mais antigos que a própria humanidade. Fraquezas e fortalezas se confundem. Elas só aparecem em momentos terríveis. Mas é bem provável que você só possa entender a diferença entre elas, quando o mundo ao seu redor desabar em um olhar.

0 comentário(s):

Postar um comentário