Cada velho tem, dentro de si, uma criança que deseja brincar

by sexta-feira, abril 17, 2015 0 comentário(s)
Compreendi, então, o curioso costume de um povo primitivo que sempre dá dois nomes às pessoas. 

O primeiro deles é o nome igual ao nosso, anunciado, falado, escrito, conhecido, a gente grita o nome e a pessoa responde, o nome é falado e todo mundo sabe sobre quem estamos falando. O outro nome só a própria pessoa sabe. 

O primeiro nome é nome falso, apenas para efeitos práticos, uma mentira socialmente necessária. O outro nome, secreto, é o lugar onde mora o meu ser verdadeiro, que é muito diferente do outro. 

Assim, por meio desse artifício, todo mundo sabe que ninguém está preso dentro de uma gaiola de sons, que não se pode exigir que a pessoa seja, no futuro, aquilo que foi guardado no saco do nome, no passado. 

Cada pessoa tem, dentro de si, um segredo, um mistério. Cada burrinho pedrês tem, dentro de si, um cavalo selvagem. Cada pato doméstico tem, dentro de si, um ganso selvagem. 

Cada velho tem, dentro de si, uma criança que deseja brincar.
— Rubem Alves.

0 comentário(s):

Postar um comentário